27 fevereiro 2007

Em que país eu vivo?!

É o caso do Ministério da Justiça que não paga à Caixa Geral de Aposentações os descontos dos seus funcionários que pagam a factura não recebendo as pensões a tinham direito.
É a corrupção total nas autarquias, na Moderna, na Independente, no futebol, e por aí fora. E o que conhece é um milionésimo da lama em que vivemos.
Andamos a apertar o cinto (sempre os mesmos) há anos e anos e o que poupa ninguém sabe onde está…
O Governo faz tudo o que quer e diz que o faz por Portugal e pelos portugueses.
Ditadura por ditadura prefiro a do Salazar.
A minha gratidão eterna ao Salazar pelo facto de ter estado 40 anos no Governo e nunca se ter aproveitado, nem deixado ninguém aproveitar, do dinheiro dos meus impostos em proveito próprio. O mesmo não posso dizer dos políticos do pós 25 de Abril. Enquanto durou, viveram da pesada herança. Depois, passaram a viver do pouco que temos nos bolsos. É tão fácil ser milionário assim! E a quem é milionário, os aumentos dos impostos são uma gorjeta.
Definitivamente nasci no tempo ou no espaço errado.
Não perdoo ao D. Afonso Henriques o ter lutado contra a Mãe e, ainda por cima, ter ganho a Batalha de S. Mamede.

26 fevereiro 2007

Poema do fecho-éclair

Filipe II tinha um colar de oiro,
tinha um colar de oiro com pedras rubis.
Cingia a cintura com cinto de oiro,
com fivela de oiro,
olho de perdiz.

Comia num prato
de prata lavrada
girafa trufada,
rissóis de serpente.
O copo era um gomo
que em flor desabrocha,
de cristal de rocha
do mais transparente.

Andava nas salas
forradas de Arrás,
com panos por cima,
pela frente e por trás.
Tapetes flamengos,
combates de galos,
alões e podengos,
falcões e cavalos.

Dormia na cama
de prata maciça
com dossel de lhama
de franja roliça.

Na mesa do canto
vermelho damasco,
e a tíbia de um santo
guardada num frasco.

Foi dono da Terra,
foi senhor do Mundo,
nada lhe faltava,
Filipe Segundo.

Tinha oiro e prata,
pedras nunca vistas,
safiras, topázios,
rubis, ametistas.
Tinha tudo, tudo,
sem peso nem conta,
bragas de veludo,
peliças de lontra.
Um homem tão grande
tem tudo o que quer.

O que ele não tinha
era um fecho-éclair.

Rómulo Vasco da Gama de Carvalho (vulgo António Gedeão)

25 fevereiro 2007

Beira-mar

A descer para a Praia da Luz, com umas pequeninas pinceladas de mar...

23 fevereiro 2007

Motivo

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei.
Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno, a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.

Cecília Meireles

22 fevereiro 2007

20 fevereiro 2007

Ao JP...

o meu beijo em dia de aniversário.
Sogrinha

Batentes


Porto

19 fevereiro 2007

E o povo paga...

O "rei" da Madeira resolveu demitir-se para ser eleito outra vez. Já não basta o que o Governo nos rouba! Agora o Alberto João faz uma birra e o povo é que vai pagá-la.
Definitivamente nasci no sítio errado ou no tempo errado...

Batentes

Porto

18 fevereiro 2007

17 fevereiro 2007

As fontes

Fui à Fonte dos Amores...
... não vi os amores


Fui à Fonte das Lágrimas...
... vi as lágrimas

15 fevereiro 2007

Candeeiro (13)

Barcelona, 2005

O retorno ao passado

No tempo do Salazar, de que quase todos dizem mal mesmo os que nada sabem desses tempos, os rapazes que não queriam ser mobilizados para a guerra do ultramar, tinham que fugir “a salto” para o estrangeiro. Era o tempo a que chamam de obscurantismo. Agora, no glorioso tempo da democracia, em dizem que temos liberdade, Agora há quem sugira que se acabe com a objecção de consciência para os médicos que não querem praticar o aborto. Será que agora os médicos que são, em consciência, contra o aborto e o não querem praticar, vão ter que fugir para o estrangeiro como no tempo do Salazar?

14 fevereiro 2007

Esta gente

Esta gente cujo rosto
Às vezes luminoso
Outras vezes tosco

Ora me lembra escravos
Ora me lembra reis

Faz renascer meu gosto
De luta e de combate
Contra o abutre e a cobra
O porco e o milhafre

Pois a gente que tem
O rosto desenhado
Por paciência e fome
Um país ocupado
Escreve o seu nome

E em frente desta gente
Ignorada e pisada
Como a pedra do chão
E mais do que a pedra
Humilhada e calcada

Meu canto se renova
E recomeço a busca
Dum país liberto
Duma vida limpa
E dum tempo justo

Sophia de Mello Breyner Andresen

13 fevereiro 2007

Este ano pode acabar o défice!

Construção civil, obras públicas, agentes e clubes desportivos são os principais alvos, em 2007, da investigação das equipas de combate à fraude e evasão fiscal, disse ontem o director nacional da Polícia Judiciária. As autoridades vão dar também "especial atenção" a agentes que estão "fora do sistema". - diz hoje o DN.
Se em vez de nomes a investigação só usasse números para identificar os infractores nos processos a averiguar, era desta que acabava o défice.
Que pena isso não ser possível! Os impostos dos honestos diminuiam substancialmente.

12 fevereiro 2007

Assim vai o país...

“Esquerda comemora e direita promete continuar a luta” – Público
“José Sócrates é claramente o vencedor da noite” – Constança Cunha e Sá
E eu a pensar que a despenalização e a liberalização do aborto eram assuntos que a cada cidadão diziam respeito independentemente das suas preferências políticas. Mais. Nunca me passou pela cabeça que o aborto fosse um troféu para festejar com champanhe.
É um Portugal de pequeninos que não é bonito como o “Portugal dos Pequenitos”



É assim a democracia...

Um cidadão fotocopia um livro, comete um crime; usa a Netcabo pirata, comete um crime; copia um CD ou DVD, comete um crime, rouba uns bolos numa pastelaria, comete um crime, efectua uma manobra perigosa, comete um crime; foge ao fisco, comete um crime; etc. etc. etc.
Faz um aborto, não comete nenhum crime e os seus concidadãos são obrigados a pagar a sua, e do seu companheiro, falta de responsabilidade.
Tantos anos que tem a humanidade e ainda não se descobriu nada melhor que a democracia!

10 fevereiro 2007

As formigas

No Porto foi preciso a Micas para esburacar o sub-solo. Na Manta Rota as formigas fazem esse serviço. Mais económico, não?

09 fevereiro 2007

Como custa soltar as amarras!

Ninguém pode traçar o destino dos filhos mas deve estar consciente de que lhes devem transmitir valores como honestidade, solidariedade, generosidade, gratidão e disciplina.
Quem ama, educa.
Os pais podem querer o sorriso dos filhos mas não podem sorrir por eles. Podem desejar e contribuir para a felicidade dos filhos mas não podem ser felizes por eles.


Composição de algumas frases de um bonito PP que me enviaram por mail

Candeeiro (12)

Continuo a olhar para os candeeiros mas ainda não se me fez luz... Mas não desisto... (Leon)

07 fevereiro 2007

Sr. Scrooge

"...
- Feliz Natal, Bob - exclamou Scrooge. - Vou aumentar-lhe o ordenado e procurarei ajudar a sua família. Discutiremos os seus problemas, hoje à tarde, perante uma taça fumegante de ponche.
Scrooge cumpriu a sua palavra. Fez tudo isso e muito mais. Foi um segundo pai para o Tinzinho, que não morreu. Tornou-se tão bom amigo, tão bom patrão e tão bom homem como aquela velha cidade jamais conhecera, ou qualquer outra velha cidade, vila ou aldeia do Velho Mundo. E dizia-se que ninguém melhor do que ele observava as tradições de Natal. Que o mesmo se possa dizer, com razão, de nós. Que Deus nos abençoe a todos, como dizia o Tinzinho."

Excerto do final de "O Natal do Sr. Scrooge" de Charles Dickens

Charles Dickens nasceu faz hoje 195 anos.
Entre outras obras deixou-nos os cássicos como "David Copperfield" e "Oliver Twist".

Ver mais em http://www.victorianweb.org/authors/dickens/dickensov.html

06 fevereiro 2007

Sou pela Vida

A Vida é uma oportunidade: aproveita-a
A Vida é beleza: admira-a
A Vida é um dom: aprecia-o
A Vida é um sonho: realiza-o
A Vida é um desafio: aceita-o
A Vida é um dever: assume-o
A Vida é um jogo: joga-o
A Vida é cara: preserva-a
A Vida é um tesouro: conserva-o
A Vida é amor: saboreia-o
A Vida é mistério: aprofunda-o
A Vida é uma promessa: cumpre-a
A Vida é tristeza: ultrapassa-a
A Vida é uma canção: canta-a
A Vida é uma luta: trava-a
A Vida é uma tragédia: enfrenta-a
A Vida é uma aventura: ousa-a
A Vida é sorte: merece-a
A Vida é preciosa: não a destruas
A Vida é Vida: luta por ela!

Madre Teresa de Calcutá

Num país ...

... onde as leis não passam de meras sugestões, a que criminaliza o aborto é mais uma delas. Os que defendem a despenalização do aborto não a aceitam se, simultaneamente,o aborto não for liberalizado. A isto eu chamo chantagem.

05 fevereiro 2007

Ninguém venha me dar Vida

Ninguém venha me dar vida,
que estou morrendo de amor,
que estou feliz de morrer,
que não tenho mal nem dor,
que estou de sonho ferido,
que não me quero curar,
que estou deixando de ser
e não quero me encontrar,
que estou dentro de um navio
que sei que vai naufragar,
já não falo e ainda sorrio,
por que está perto de mim
o dono verde do mar
que busquei desde o começo,
e estava apenas no fim.
Corações por que chorais?
Preparai meu arremesso
para as algas e os corais.
Fim ditoso, hora feliz:
guardai meu amor sem preço,
que só quis quem não me quis.
Cecília Meireles

A pergunta enganosa

"Não concordo discordando nem discordo concordando", disse José Sócrates. Excepcionalmente estamos de acordo.
A diferença está em que o primeiro-ministro quer que eu escolha a despenalização e a liberalização do aborto fazendo-me apenas uma pergunta. É, no mínimo, batota. Dele e dos 230 deputados, pagos por nós, e que deveriam pensar antes de aprovar esta estúpida pergunta.

04 fevereiro 2007

Sol

Quero ver um sol que me obrigue a procurar uma sombra gostosa mesmo que não brilhe assim.

Eternidades

Yo no soy yo.
Soy éste
que va a mi lado sin yo verlo;
que, a veces voy a ver,
y que, a veces, olvido.

El que calla, sereno, cuando hablo,
el que perdona, dulce, cuando odio,
el que pasea por donde no estoy,
el que quedará en pie cuando yo muera.

Juan Ramón Jiménez.

02 fevereiro 2007

Algumas perguntas

Se dermos ouvidos ao argumento dos que fazem campanha pelo sim no próximo referendo, a liberalização é a solução para acabar com a praga social que é o aborto.
Partido desse princípio não será altura de liberalizar as drogas, a corrupção, a fuga ao fisco, o álcool, os excessos de velocidade, …?

Na pergunta que me vão fazer no dia 11 estão, bem claras, duas perguntas. Se apoio a despenalização do aborto e se apoio a sua liberalização.
Como se responde sim ou não a duas perguntas em simultâneo, se as respostas não coincidem?

Argumentam-me que se faz um número alarmante de abortos porque os métodos contraceptivos, e há imensos, falham.
Será que os preservativos, as pílulas, os diafragmas, os dispositivos intra-uterinos, … são feitos a martelo?

O problema do aborto não é um problema religioso mas da moral de cada um.
Que direito tem um partido político para interferir na moral de cada um dos seus filiados ou simpatizantes?