31 maio 2009

A ver a banda passar...

Não sou muita amiga das festas populares mas ontem calhou-me estar de serviço na Tômbola do Lions Clube de Matosinhos, nas Festas do Senhor de Matosinhos.
Tive a sorte de ver passar a banda e os gigantones. Adoro bandas e lamento que os lindos coretos que há por este país fora não tenham, de vez em quando, uma banda a tocar. Era uma tradição que merecia voltar a ser habitual.

30 maio 2009

As flores do 8º E

Quando me reformei, decidi nunca mais voltar à escola onde leccionei 20 anos. Decisão que não é fácil já que deixei lá pessoas que sempre admirei, e continuo a admirar, e deixei os meus alunos mas as atitudes do Conselho Executivo e da Ministra foram sendo do mesmo teor, pelo que a consideração que ambos me merecem é a mesma.

Mas, esta semana, os alunos do 8º E, a quem eu leccionava a disciplina de Ciências Físico-Químicas e a área curricular não disciplinar de Área de Projecto, telefonaram-me a pedir para ir ver a apresentação do resultado do projecto iniciado por mim e continuado pelo professor que me substituiu. Além do blog “Os vinte e a Terra” eles deram corpo a uma revista na qual duas páginas eram ocupadas por uma entrevista que me fizeram. Não podia desiludir os meus alunos e, ontem à noite, enchi-me de coragem e lá voltei a entrar naquela escola.
A apresentação deles foi muito interessante e, no final, chamaram-me ao palco, bem como ao professor que me substituiu para darem um ramo de flores a cada um como agradecimento pelo apoio na realização do projecto. Foi uma surpresa que me deixou sem fala e com o coração cheio de alegria.


Mais uma medalha que ficará guardada no coração, na revista e na fotografia.

29 maio 2009

Ou isto ou aquilo

Ou se tem chuva e não se tem sol
ou se tem sol e não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.

É uma grande pena que não se possa

estar ao mesmo tempo em dois lugares!

Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,

ou compro o doce e gasto o dinheiro.

Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo . . .
e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranquilo.

Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.

Cecília Meireles

27 maio 2009

Pelourinho do Largo da Sé do Porto

O pelourinho visto de uma das salas da parte superior dos Claustros...
... e uns pormenores.


26 maio 2009

Santo António

O vitral de Santo António, da Sé do Porto, visto por fora...

... e por dentro.

25 maio 2009

Parabéns

Estas "bocas de lobo" foram colhidas em Serralves e são para a minha filha Patrícia que fez hoje anos.

22 maio 2009

Pôr do sol em Ofir

O Sol põe-se todos os dias, em que há sol, claro.
E um pôr do sol é sempre um espectáculo magnífico para quem olha, vê e sente. Este foi em Ofir e, nas circunstâncias em que ocorreu, foi um sonho a guardar.

20 maio 2009

Pôr do sol na Casa de Chá da Boa Nova

A luz oblíqua da tarde
Morre e arde
Ns vidraças.
...
Sophia de Mello Breyner

17 maio 2009

Funicular dos Guindais

O Funicular dos Guindais, que liga a Batalha à Ribeira, anda por aqui.

Oh! Lá vem ele!

16 maio 2009

A decadência e o mau gosto lado a lado

Quem entra no Porto pelo tabuleiro superior da Ponte D. Luís, o que só pode fazer a pé ou de metro, depara, junto aos restos da muralha fernandina, com estes dois edifícios. Um em ruínas e outro que fere a alma de feio e deslocado.

Cristo Rei

Dizem que faz hoje 50 anos que foi inaugurado o monumento religioso que é o Cristo-Rei. Na pesquisa que fiz, a inauguração foi no dia 17 de Maio de 1959. Pormenor sem grande interesse.
É um monumento que me não agrada particularmente. Primeiro, querer copiar o Cristo Redentor do Rio de Janeiro, é “pobrezinho”. Segundo, não lhe encontro grande beleza. Mas reconheço que constitui um ícone de Almada, e de Lisboa, e que a vista sobre Lisboa é linda.
O Papa João XXIII não esteve presente na inauguração mas enviou uma mensagem de rádio que foi transmitida. Segundo o Cardeal Cerejeira o monumento seria sempre um sinal de gratidão pelo dom da paz. Assim seja.

14 maio 2009

Na Ribeira, o Postigo do Carvão.


13 maio 2009

O Porto visto da Serra do Pilar

Um passeio que recomendo. Apanhar o Metro até ao Jardim do Morro. Apreciar a vista sobre o Porto. Magnífica!
Subir ao Mosteiro da Serra do Pilar. Voltar a apreciar a vista sobre o Porto. Soberba!

12 maio 2009

Alfândega Velha


Depois de visitarmos a Bolsa e a Igreja de S. Francisco, obviamente descemos para a Rbeira. No caminho, não podíamos deixar de parar na Casa do Infante. Um edifício que está lindo e, nestes dias com uma exposição de fotografias do Porto bem interessantes.
"...
A classificação da Casa do Infante como monumento nacional dá-se em 1924. No final dos anos 50. O edifício, cujo corpo posterior se encontrava arrendado voltou para a posse do Estado e da Autarquia. Entre 1958-1960 sofreu um profundo restauro, orientado pela Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, sob direcção do arquitecto Rogério de Azevedo. Desde então funcionam aí os serviços do Arquivo Municipal, que promoveu um projecto de estudo e de remodelação profunda do edifício. As pesquisas levaram à descoberta de um importante palácio romano e ao melhor conhecimento dos antigos edifícios da Coroa, desde o século XIV à actualidade. A importância dos achados determinou a criação de um Museu de sítio que funciona a par do Arquivo, tal como um pequeno Posto de Turismo. O projecto de Arquitectura para a remodelação do Arquivo e valorização do Monumento Nacional é da autoria do arquitecto Nuno Tasso de Sousa." (texto retirado da internet)

11 maio 2009

Para diminuir o coeficiente aerodinâmico?


Este pato, equipado com aileron traseiro, nada nas àguas dos jardins de Serralves.
Será para diminuir o coeficiente aerodinâmico? Seja por isso ou não, o pato é indiscutivelmente lindo! Assim fosse a água...

10 maio 2009

Fim de festa

Os quatro dias de festa, a mostrar a minha Cidade Invicta a três amigas lisboetas, acabaram.
Claro que fomos visitar o Palácio da Bolsa. Como as fotografias são proibidas, fico-me pela entrada.


Também não podiamos deixar de visitar a Igreja de S. Francisco de que deixo aqui um "cheirinho".

Estes dois monumentos, ícones da Invicta, ficam ao lado do Mercado Ferreira Borges.
Se alguém conseguir chegar à fala com Rui Rio, peça-lhe para mandar consertar as mazelas, que são poucas, antes que este edifício fique num estado de degradação que nos coloque mal. Os portuenses, e os que nos visitam, merecem ter o Mercado Ferreira Borges lindo.
É que, no nosso Portugal, há o triste hábito de não se fazerem obras de manutenção. Constrói-se e só quando está a cair é que se gastam fortunas para "reconstruir".

05 maio 2009

Amanhã

O Menino Grande

Também eu, também eu,
joguei às escondidas, fiz baloiços,
tive bolas, berlindes, papagaios,
automóveis de corda, cavalinhos...

Depois cresci,
tornei-me do tamanho que hoje tenho;
os brinquedos perdi-os, os meus bibes
deixaram de servir-me.
Mas nem tudo se foi:
ficou-me,
dos tempos de menino
esta alegria ingénua
perante as coisas novas
e esta vontade de brincar.

Vida!,
não me venhas roubar o meu tesoiro:
não te importes que eu ria,
que eu salte como dantes.
E se eu riscar os muros
ou quebrar algum vidro
ralha, ralha comigo, mas de manso...

(Eu tinha um bibe azul...
Tinha berlindes,
tinha bolas, cavalos, papagaios...
A minha Mãe ralhava assim como quem beija...
E quantas vezes eu, só pra ouvi-la
ralhar, parti os vidros da janela
e desenhei bonecos na parede...)

Vida!, ralha também,
ralha, se eu te fizer maldades, mas de manso,
como se fosse ainda a minha Mãe...

(Sebastião da Gama)

As meninas, que com dez anos entraram comigo para o Instituto de Odivelas e comigo viveram vinte e quatro horas por dia durante cinco anos, são hoje meninas grandes. Comigo brincaram, comigo estudaram, comigo sentiram a falta da casa, dos pais, dos irmãos.
A vida separou-nos mas em Dezembro reencontrámo-nos. Nem tudo se foi: ficou-nos,dos tempos de meninas, esta alegria ingénua perante as coisas novas e esta vontade de brincar. Ficou a amizade. Incólume.
Três delas vêm amanhã passar uns dias comigo. Vão abandonar o Sul para virem conhecer o meu Porto.
Vamos rir, saltar, riscar os muros ou quebrar algum vidro… Vamos (re)viver.

03 maio 2009

Os bancos à espera

Um sol lindo, uma temperatura óptima, o rio aos pés e... os bancos vazios. Possivelmente os centros comerciais estavam cheios.
Os gostos não se discutem... dizem...

01 maio 2009

Laranja

Um dia destes estive em casa da minha filha mais nova num jantar de anos. A Mafalda pegou na minha máquina e andou para lá a disparar. Pela cor, esta fotografia agradou-me.