30 abril 2012

Rendas de Bilros

Aprendi a fazer vários tipos de rendas, incluindo as frioleiras. Nunca fiz Rendas de Bilros embora seja uma arte artesanal que sempre me fascinou.
Tenho que ir com tempo a Vila do Conde ver o Museu das Rendas de Bilros já que é um dos principais ex-libris da terra.

28 abril 2012

Nau quinhentista

A nau portuguesa do século XVI era um navio redondo, com uma relação de 3:1 entre o comprimento e a largura máxima, três ou quatro cobertas, castelos de popa e de proa, com três e dois pavimentos, respectivamente, cuja arquitectura se integra perfeitamente no casco; arvorava três mastros, o grande e o traquete com pano redondo e o mezena com  pano latino.

Mentes Geniais - Descobertas extraordinárias

 Hoje fui, com um grupo de alunos da Universidade Sénior Florbela Espanca, visitar a Exposição "Mentes Geniais - Descobertas Extraordinárias" ao Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental de Vila do Conde.
Uma óptima viagem de Metro, um agradável passeio junto ao rio com um sol magnífico, um grupo extremamente interessado e atento, uma rapariga extremamente simpática a guiar-nos na visita. Em resumo - uma tarde em cheio.

26 abril 2012

Parabéns

Parece que ainda ontem entrei nos "entas" e a minha filha mais velha já entra hoje.
Parabéns, Mónica!

25 abril 2012

25 de Abril


Se o meu pai fosse vivo, os meus pais fariam hoje 66 anos de casados.

24 abril 2012

Poema do fecho-eclair

Filipe II tinha um colar de oiro,
tinha um colar de oiro com pedras rubis.
Cingia a cintura com cinto de oiro,
com fivela de oiro,
olho de perdiz. 

Comia num prato
de prata lavrada
girafa trufada,
rissóis de serpente.
O copo era um gomo
que em flor desabrocha,
de cristal de rocha
do mais transparente. 

Andava nas salas
forradas de Arrás,
com panos por cima,
pela frente e por trás.
Tapetes flamengos,
combates de galos,
alões e podengos,
falcões e cavalos. 

Dormia na cama
de prata maciça
com dossel de lhama
de franja roliça. 

Na mesa do canto
vermelho damasco,
e a tíbia de um santo
guardada num frasco. 

Foi dono da Terra,
foi senhor do Mundo,
nada lhe faltava,
Filipe Segundo. 

Tinha oiro e prata,
pedras nunca vistas,
safiras, topázios,
rubis, ametistas.
Tinha tudo, tudo,
sem peso nem conta,
bragas de veludo,
peliças de lontra.
Um homem tão grande
tem tudo o que quer. 

O que ele não tinha
era um fecho-éclair.

António Gedeão

O Google lembrou-se hoje de Gideon Sundback, eu lembrei-me logo de António Gedeão

22 abril 2012

20 abril 2012

18 abril 2012

Por aí

Que cheirinho bom!

17 de Abril

O dia que acabou há pouco lembra-me o 17 de Abril de triste memória. Por que me lembro todos os anos?

15 abril 2012

Dietas que valem a pena


No sábado de Páscoa fui dar uma volta a Alcobaça. À entrada estava um outdoor onde se publicitava a Pastelaria Alcôa. A imagem com uns bolos apetitosos (cornucópias) aguçou-nos o apetite e lá fomos à procura da Alcôa. Aqueles balcões com amêndoas de todas as cores e feitios, bolos lindos baptizados com nomes igualmente lindos, deixou-nos sem saber o que comprar. Apetecia trazer uma meia dúzia de cada qualidade. Optámos por estes, que aconselho vivamente, embora a massa extremamente fina se torne bastante frágil para transportar.
Não posso deixar de salientar a simpatia e gentileza com que fomos atendidos. Dá gosto a sensação de amor ao que se faz que ali nos envolve. Pena que nem todas as lojas percebam que é assim que se cativam clientes.
Apetece cantar "Quem passa pela Alcôa, não passa sem lá voltar"...

13 abril 2012

Leixões ontem

 Calhou estar perto quando se deu o acidente. Andei meia dúzia de passos e apanhei vários momentos como estes que aqui deixo. Realmente vivemos em cima de um barril de pólvora.

12 abril 2012

Danza Preparata

Ontem fui à Casa da Música ver esta Danza Preparata. Magnífico.
Quem perdeu esta oportunidade, pode ver este espectáculo no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, no dia 14 de Abril.

Por aí

Com os seus 3 quilómetros de areal, a bacia de S. Martinho do Porto, de forma elíptica e águas calmas, possui uma barra com 250 metros de abertura, entre os Morros de Santana a sul e do Farol a norte.

Longe do mundo, perto do que é bom

O meu carro, que não trocava por um Porsche, levou-me para longe do mundo.
Uns verdes separavam-me do horizonte longínquo e que eu queria esbatido. Fugi de tudo, que não de todos. Foram uns dias de amena cavaqueira com gente querida, com boa comida, boa bebida e noites compridas onde só as cigarras tinham voz.
A boa vida é mesmo boa!

05 abril 2012

Que é feito do burro?

Qando eu vim morar aqui, do outro lado da larga rua em frente da sala, havia uma quinta. Um dia vieram as máquinas e com elas o meu medo que aquele terreno se transformasse num prédio alto. Felizmente apareceu apenas um comboio com seis moradias. Uma delas foi adquirida por alguém que teve a ideia peregrina de que eu falei aqui e que já serviu para apresentações da Neoturf.
Há já um tempo que não olhava para o burro mas ontem fui surpreendida com esta vista:
Que é feito do burro? Fugiu? Morreu? Ou foi à terra?

Cor

 A mancha colorida, que me encantou, é feita de pequenas flores que parece terem sido pintadas à mão.