25 abril 2014

25 de Abril de 1946

Se o meu pai fosse vivo, os meus pais fariam hoje 68 anos de casados.

19 abril 2014

Os imprevistos...

Um genro caiu da mota, foi para o hospital. Fratura da anca, cirurgia amanhã. Recuperação prolongada. Muito. Netos gémeos comigo para a minha filha ir ao hospital ficar com o marido.
Planos de Páscoa alterados e depois... vai-se combinando dia a dia. Desde que a cirurgia corra bem, tudo se resolve. Haverá na mesma as amêndoas. Em vez de 14, seremos 13... eu não sou supersticiosa.
A cirurgia vai correr bem, Paulo.

18 abril 2014

Lais de Guia

 
 
O céu continua encoberto. A chuva vem aí... outra vez.


17 abril 2014

17 de Abril de 1969

Foi na inauguração deste edifício, que no dia 17 de Abril de 1969, começou a crise estudantil de Coimbra.
Foi à entrada deste edifício que o meu Pai, médico militar, que era uma das individualidades convidadas para a inauguração por ser, na altura, a mais alta individualidade dos Serviços de Saúde Militar de Coimbra, foi enxovalhado, chamado de “palhaço”, “fantoche” e outros nomes bem piores. Na sequência desse incidente, o Presidente da Associação Académica, Alberto Martins, foi preso e eu defendi-o perante o meu Pai. Era tão ingénua que acreditei que aquele movimento não era político e que o que estava em causa era a defesa do ensino superior. O meu Pai bem me avisou mas a minha rebeldia de jovem universitária falou mais alto. Hoje tenho o dito senhor no Parlamento. Se arrependimento matasse… D. Dinis assistiu a tudo imóvel, petrificado.
Foram maus momentos que se viveram em casa dos meus Pais, com as três filhas mais velhas na Faculdade. Foi um dia que marcou negativamente a minha relação com o meu Pai. Tempos que eu queria esquecer mas que todos os anos, neste dia, me vêm à memória. É um dia que fica na história do país e da minha vida.

15 abril 2014

Florbela Espanca

(Busto da 'poetisa eleita' feito, em bronze, por Raul Xavier em 1955 e oferecida pelo próprio ao Museu Amadeo de Souza Cardoso).
 
Vaidade

Sonho que sou a Poetisa eleita,
Aquela que diz tudo e tudo sabe,
Que tem a inspiração pura e perfeita,
Que reúne num verso a imensidade!

Sonho que um verso meu tem claridade
Para encher o mundo! E que deleita
Mesmo aqueles que morrem de saudade!
Mesmo os de alma profunda e insatisfeita!

Sonho que sou Alguém cá neste mundo...
Aquela de saber vasto e profundo,
Aos pés de quem a Terra anda curvada!

E quando mais no céu eu vou sonhando,
E quando mais no alto ando voando,
Acordo do meu sonho... E não sou nada!...

14 abril 2014

Museu Municipal Amadeo de Souza Cardoso

0 Museu Amadeo de Souza Cardoso, outrora Biblioteca - Museu Municipal de Amarante, fundado, em 1947, está instalado no Convento Dominicano de S. Gonçalo de Amarante, construção empreendida ao longo dos séc. XVI-XVIII.

O Museu foi progressivamente ocupando alguns desses espaços, sucessivamente qualificados até ao projecto revalorizador de arquitectura, de 1980, de sentido moderno, do arquitecto Alcino Soutinho, com a reconstituição dos dois claustros, desvirtuados pela demolição do corpo que os separava, realizada em meados do século XIX.

Teatro Constantino Nery

É verdade que estamos em crise. É verdade que se desinvestiu na cultura. Mas também é verdade que continuam a fazer-se trabalhos excelentes e alguns a preços perfeitamente acessíveis. No Cine Teatro Constantino Nery (Teatro Municipal de Matosinhos) tenho assistido a espectáculos maravilhosos graças à qualidade da sua Directora Artística, Luísa Pinto.
Claro que cada português faz as suas opções. Com o mesmo dinheiro, entre ir a um jogo de futebol ou a cerca de cerca de oito espectáculos no Constantino Nery eu opto, sem hesitar, na segunda hipótese.
Na sexta-feira fui ver a peça "Diz-lhes que não falarei nem que me matem" com texto e encenação de Marta Freitas, interpretação de Mário Santos, cenografia de Catarina Barros, música original e sonoplastia de Ricardo Raimundo e montagem e operação de luz de Daniel Oliveira. Um espectáculo "cinco estrelas".
Parabéns a todos os que o tornaram possível.

Rota do Românico

No Mosteiro de São Salvador de Paço de Sousa encontra-se o túmulo de Egas Moniz. Uma "magnífica peça com altos-relevos que retratam a ida do aio de D. Afonso Henriques à Corte de Leão" (palavras da Paula).
 No pórtico da entrada o dia e a noite, o alfa e o ómega, o princípio e o fim.

10 abril 2014

08 abril 2014

06 abril 2014

Rota do Românico

 Mosteiro de S. Pedro de Ferreira

A Casa Encantada

O Museu da Quinta de Santiago comemorou 18 anos, no dia 2, e está a fazê-lo oferecendo-nos uma prenda magnífica.
Este sábado, às 21:30 h tive o privilégio de ver "A Casa Encantada". Um projecto performativo encenado por Luísa Pinto (parabéns!) com interpretação de Isabel Carvalho, João Costa e Rui David (parabéns!).
Percorremos as divisões do Museu da Quinta de Santiago e fomos encontrando Florbela Espanca, Carlos Mardel, Luis Bunuel, Garcia Lorca, Salvador Dali, Frida Kahlo, entre outros. Interpretações óptimas nas divisões de uma casa linda como é a Casa de Santiago.
Porque a Frida Kahlo me toca particularmente, aqui ficam dois registos deste magnífico serão.
Ficam também os parabéns a todos os que tão bem trabalham no Museu da Quinta de Santiago e à vontade da Câmara Municipal de Matosinhos. Continuem com o mesmo entusiasmo que eu mantenho-me assídua presença nos vossos projectos.