24 dezembro 2009

Um Santo Natal

Desejo a todos um Santo Natal.

Natal, e não Dezembro

Entremos, apressados, friorentos,
numa gruta, no bojo de um navio,
num presépio, num prédio, num presídio,
no prédio que amanhã for demolido...

Entremos, inseguros, mas entremos.
Entremos, e depressa, em qualquer sítio,
porque esta noite chama-se Dezembro,
porque sofremos, porque temos frio.

Entremos, dois a dois: somos duzentos,
duzentos mil, doze milhões de nada.
Procuremos o rastro de uma casa,
a cave, a gruta, o sulco de uma casa

Entremos, despojados, mas entremos.
Das mãos dadas talvez o fogo nasça,
talvez seja Natal e não Dezembro,
talvez universal a consoada.

David Mourão-Ferreira

19 dezembro 2009

Nem sonhos, nem rabanadas

No dia em que aqui coloquei o poema do António Gedeão todos os meus planos de Natal ruiram.
Ia apanhar o Metro. Tropecei e aqui estou de gesso e "pé ao peito". 15 dias de completa imobilidade e inutilidade. Ainda por cima nunca usei canadianas e a aprendizagem, para a minha idade, não é fácil.
Mudei-me para a casa da minha filha Teresa e cá estou a dar trabalho e com a horrível sensação, nova para mim, da falta de mobilidade.
Assim passarei o Natal e o Ano Novo. Que o Menino Jesus me dê paciência para aguentar os 13 dias que faltam.

17 dezembro 2009

Dia de Natal

Hoje é dia de ser bom.
É dia de passar a mão pelo rosto das crianças,
de falar e de ouvir com mavioso tom,
de abraçar toda a gente e de oferecer lembranças.

É dia de pensar nos outros – coitadinhos – nos que padecem,
de lhes darmos coragem para podermos continuar a aceitar a sua miséria,
de perdoar aos nossos inimigos, mesmo aos que não merecem,
de meditar sobre a nossa existência, tão efémera e tão séria.

Comove tanta fraternidade universal.
É só abrir o rádio e logo um coro de anjos,
como se de anjos fosse,
de violas e banjos,
entoa gravemente um hino ao Criador.
E mal se extinguem os clamores plangentes,
a voz do locutor
anuncia o melhor dos detergentes.

De novo a melopeia inunda a Terra e o Céu
e as vozes crescem num fervor patético.
(Vossa Excelência verificou a hora exacta em que o Menino Jesus nasceu?
Não seja estúpido! Compre imediatamente um relógio de pulso antimagnético.)
Torna-se difícil caminhar nas preciosas ruas.
Toda a gente se acotovela, se multiplica em gestos, esfuziante.
Todos participam nas alegrias dos outros como se fossem suas
e fazem adeuses enluvados aos bons amigos que passam mais distante.

Nas lojas, na luxúria das montras e dos escaparates,
com subtis requintes de bom gosto e de engenhosa dinâmica,
cintilam, sob o intenso fluxo de milhares de quilovates,
as belas coisas inúteis de plástico, de metal, de vidro e de cerâmica.

Os olhos acorrem num alvoroço liquefeito,
ao chamamento voluptuoso dos brilhos e das cores.
É como se tudo aquilo nos dissesse directamente respeito,
como se o Céu olhasse para nós e nos cobrisse de bênçãos e favores.

A Oratória de Bach embruxa a atmosfera do arruamento.
Adivinha-se uma roupagem diáfana a desembrulhar-se no ar.
E a gente, mesmo sem querer, entra no estabelecimento
e compra – louvado seja o Senhor – o que nunca tinha pensado comprar.

Mas a maior felicidade é gente pequena.
Naquela véspera santa
a sua comoção é tanta, tanta, tanta
que nem dorme serena.

Cada menino
abre um olhinho
na noite incerta
para ver se a aurora
já está desperta.
De manhãzinha,
salta da cama,
corre à cozinha
mesmo em pijama.

Ah!!!

Na branda macieza
da matutina luz
aguarda-o a surpresa
do Menino Jesus.

Jesus,
o doce Jesus,
o mesmo que nasceu na manjedoura,
veio pôr no sapatinho
do Pedrinho
uma metralhadora.

Que alegria
reinou naquela casa em todo o santo dia!
O Pedrinho, estrategicamente escondido atrás das portas,
fuzilava tudo com devastadoras rajadas
e obrigava as criadas
a caírem no chão como se fossem mortas.
tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá
Já está!
E fazia-as erguer para de novo matá-las.
E até mesmo a mamã e o sisudo papá ´
fingiam
que caíam
crivados de balas.

Dia de Confraternização Universal,
dia de Amor, de Paz, de Felicidade,
de Sonhos e Venturas.
É dia de Natal.
Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade.
Glória a Deus nas Alturas.

António Gedeão

12 dezembro 2009

Couves?

De longe o efeito é lindo! Ao perto parecem couves - branca e roxa. Penca? Tronchuda?
Num dos canteiros ajardinados da Praça Cidade S. Salvador.

A anémona gigante

Na Praça Cidade de S. Salvador, onde quase acaba Matosinhos e quase começa o Porto, está a anémona da autoria da norte-americana Janet Echelman.

10 dezembro 2009

Na minha casa

A minha casa também já está alindada. O lugar de destaque vai para o Presépio onde estão as quatro velas que se vão acendendo a cada domingo do Advento.

Depois, está a árvore de Natal que foi enfeitada pelas crianças todas. Só o Lourenço, pela sua idade, não entrou nesta tarefa. Placas de massas Fimo que cada um enfeitou e onde cada um escreveu os nomes dos seus amigos.
Assim, todos os nossos amigos estarão connosco também nesta quadra que, para nós, é festiva.

A USFE no Natal


Os alunos da Universidade Sénior Florbela Espanca já alindaram a "sua casa" para a época natalícia e no dia 21 de Dezembro terão a sua festa e o seu jantar de Natal. Lá estaremos, para conviver e registar em imagens.

09 dezembro 2009

Parabéns

O meu herói, o meu prematuro, o meu chinoca, o meu Lourenço faz hoje 2 anos. A todos os que acompanharam o atribuladíssimo princípio da vida deste pequenote e, com as suas orações ou a sua vontade, ajudaram a que hoje houvesse festa, o meu agradecimento sincero.

08 dezembro 2009

O mar da Foz...


...hoje.

Os pescadores

Na minha caminhada cruzei-me com estes dois em cima do rochedo com as suas canas.

Sempre a aprender...

Acabada de chegar de uma reunião, liguei o computador para ir aos meus blogues. A imagem maravilhosa do Google levou-me à pesquisa.



Não fazia a mínima ideia que o Popeye (the sailor man) nasceu em 1929 numa banda desenhada humorística de um jornal norte-americano. O seu criador Elzie Crisler Segar nasceu em Chester, Illinois, em 8 de Dezembro de 1894. Faria hoje 119 anos.

Afinal o Popeye, cujos filmes animaram a minha juventude (já que na infância não havia televisão), já era "velho" quando eu o conheci. Nunca imaginei.

Mas gostei de o ver nesta imagem, com a lata de espinafres já aberta e os ditos a caminho da sua boca para lhe darem aqueles músculos fabulosos.
Andei uns anos largos para o passado e foi bom.

05 dezembro 2009

O dia de Haydn

Cheguei da Casa da Música com o corpo leve e a alma cheia. As minhas assinaturas de Piano e ONP ao sábado, 2009, estão a acabar. Hoje fui ver um concerto divino pela Orquestra Nacional do Porto.
Obras de Joseph Haydh e Arvo Part que me encantaram.


01 dezembro 2009

Da ponte

O Palácio da Bolsa e a Igreja de S. Francisco no meio do casario.
(vista da Ponte D. Luis)

24 novembro 2009

Dia Nacional da Cultura Científica

Todos os anos, neste dia, o sarrabiscos homenageia Rómulo de Carvalho / António Gedeão. Ambos estiveram sempre presentes na minha vida pessoal e profissional. No ano passado foi assim. Este ano deixo aqui a Pedra Filosofal. Leiam ou cantem.
O importante é lembrarmo-nos que, neste dia, em 1906 nasceu Rómulo Vasco da Gama de Carvalho e, em sua homenagem, se comemora hoje o Dia Nacional da Cultura Científica.

Pedra Filosofal

Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso,
em serenos sobressaltos,
como estes pinheiros altos,
que em verde e oiro se agitam,
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.

Eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma, é fermento,
bichinho alacre e sedento,
de focinho pontiagudo,
que foça através de tudo
num perpétuo movimento.

Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel,
arco em ogiva, vitral,
pináculo de catedral,
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa dos ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, paço de dança,
Columbina e Arlequim,
passarola voadora,
pára-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra som, televisão,
desembarque em foguetão
na superfície lunar.

Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida.
Que sempre que o homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.

21 novembro 2009

20 novembro 2009

18 novembro 2009

Podem colocar aqui as vossas cartas

As cartas e os postais, ilustrados ou dos CTT, acabaram. Na minha caixa de correio só encontro envelopes com contas para pagar, extratos bancários e convocatórias para as reuniões do condomínio. E, todas elas, escritas a computador.
Já não me lembro de receber uma carta escrita à mão. Se alguém me quiser escrever duas linhas e colocar aqui, eu fico grata. Prometo responder.

17 novembro 2009

15 novembro 2009

15 de Novembro

A minha Mãe fez hoje 88 anos.
Estiveram a almoçar em casa dela, em Coimbra, as 5 filhas, 12 dos 14 netos e 9 dos 11 bisnetos. Não conto com as caras metades daqueles que os têm.
Mas a festa não foi só para a minha Mãe. Uma das minhas sobrinhas, que mora em Faro, fez 22 anos.
Cantámos assim os parabéns a uma avó e uma neta que hoje fizeram duas lindas capicuas.

Magusto na USFE

Na Sexta-feira passada realizou-se o magusto na Universidade Sénior Florbela Espanca.
As castanhas estiveram, obviamente, no centro das mesas.

Tenho que salientar o excelente convívio entre todos (alunos, professores, amigos,...). Outra coisa não seria de esperar. Fomos tantos que ocupámos o Bar, a Biblioteca e a Sala de Desenho.

09 novembro 2009

Um fim de semana de luxo

Na sexta-feira, cumprimentei os Beatles, visitei o MUDE, dei uma volta pela capital e instalei-me em casa de uma das "meninas", que comigo entrou no Instituto de Odivelas, onde já outra tinha abancado. Serão de gargalhada.

No sábado às 9 h, as de Lisboa e arredores e eu, estávamos no Marquês para apanhar a camioneta que nos levaria ao encontro das que a vida levou para o Alentejo.
Uma viagem animada como é nosso hábito nestes encontros.
As Alentejanas receberam-nos numa festa e iniciámos o programa por elas elaborado. Magnífico. Obrigada Maria Manuel. Obrigada Fátima. Obrigada Teresa. Obrigada Luisa.
Começámos pelo Palácio D. Manuel que tem em frente um coreto lindíssimo.

Depois prestámos homenagem à Florbela Espanca que nasceu ne terra delas e morreu na minha.

Seguimos para o Convento da Graça que visitámos, apesar de ser privado. Uma das várias mordomias que as Alentejanas nos proporcionaram.

No convento da Graça (Messe de Oficiais) almoçámos lindamente e com a alegria que caracteriza este grupo espectacular.

O arranjo da mesa, feito pelas nossas Alentejanas, estava lindo. Não acham?

E, hoje, fico-me pela hora do almoço.
Continua...

06 novembro 2009

Bom fim-de -semana

Vou tomar um cafezinho à Praça do Giraldo.
Até para a semana e divirtam-se que é o que tenciono fazer.

04 novembro 2009

Rio Cávado

O rio Cávado é um rio do norte de Portugal que nasce na Serra do Larouco, a uma altitude de cerca de 1520 m, passa perto de Braga, Barcelos e desagua no Oceano Atlântico junto a Esposende, após um percurso de 135 km.
Entre Esposende e Fão passa por baixo desta linda ponte.

27 outubro 2009

Que futuro terá a ETGB?

Hoje fui almoçar com a Direcção da Escola de Tecnologia e Gestão de Barcelos. Uma escola a que me afeiçoei desde que essa escola esteve a meu cargo. Sempre ali fui recebida com uma amizade comovente. Ali estive como convidada a falar para o corpo docente, em dia de festa no passado ano lectivo. Várias vezes ali me encontrei com a Direcção. Várias vezes almoçámos juntos. Conheci com eles todos os artesãos de Barcelos.
Uma escola que que nasceu em 1990 e que tem tido à frente uma equipa sensacional que fez da ETGB uma instituição de excelência. Uma escola com um corpo docente extraordinário.

Da Direcção só vi posições de grande profissionalismo e, para mim, manifestações de gentileza e carinho.

Mas o dia 11 de Outubro mudou tudo. A proprietária da Escola é uma empresa municipal e a Câmara mudou para as mãos dos socialistas. A Direcção está de partida. Eles vão começar uma nova vida a partir do zero. Mas são pessoas de garra que dedicadamente irão fazer outra coisa. Tenho a certeza e desejo-lhes as maiores felicidades. O almoço de hoje foi mais cinzento. Foi um jantar de despedida. Não nos voltamos a encontrar na ETGB. Encontrar-nos-emos noutro lado.

Mas... e a Escola? Que vão fazer da ETGB? Fechá-la? Despedir o corpo docente? Diminuir a qualidade do ensino nesta Instituição? Que trará o futuro à Escola de Tecnologia e Gestão de Barcelos? Os meus receios são muitos.

26 outubro 2009

Sessão Solene da abertura do ano lectivo 2009/2010 na USFE

Realizou-se esta tarde a Sessão Solene de Abertura do Ano Lectivo 2009 - 2010 da Universidade Sénior Florbela Espanca. Esta cerimónia teve lugar no Auditório Infante D. Henrique, da APDL, em Leça da Palmeira.
O Professor Alexandre Quintanilha proferiu uma lição magistral sobre "Os desafios do século XXI". Foram de tal maneira cativantes as palavras do Professor Quintanilha que ninguém deu pela passagem do tempo.

Tivemos uma repetição da teatralização dos quadros de Augusto Gomes feita felos alunos de teatro da USFE orientados pelo Professor Falcão. Já publiquei alguns destes quadros aqui , aqui e aqui que pudemos observar na festa de final do ano lectivo passado.

Como o professor Falcão teve, por motivos profissionais, de nos deixar este ano, embora tivesse arranjado outro professor com a mesma qualidade, os alunos prestaram-lhe uma pequena, e mais do que merecida, homenagem .

Esta Sessão Solene terminou com chave de ouro ouvindo o Grupo Instrumental da Justiça com que os nossos ouvidos e os nossos espíritos se deliciaram.

Uma Sessão de excelente qualidade a condizer com a da Universidade Sénior Florbela Espanca.
É para mim um privilégio estar ligada a esta instituição.

24 outubro 2009

Candeeiros (40)

Um céu tão azul já parece tão longe...