28 abril 2016

Aterrar nas dunas

Na praia de Faro parece que os aviões aterram nas dunas.

20 março 2016

Às centenas

 Quer em Faro, quer em Olhão, os ninhos de cegonha, habitados pelas ditas, são às centenas.

22 fevereiro 2016

30 janeiro 2016

Até sempre

Lembro-me da primeira vez que vi a Maria Manuel, em 1977, como se fosse hoje. Ela ia ser a minha orientadora de estágio. Foi uma óptima orientadora e ela e o João Clemente tornaram-se meus grandes amigos. Fizemos muitas férias juntos no Algarve; as minhas três filhas e as duas deles, que formavam uma escadinha alinhada, fartaram-se de brincar juntas.
Era um casal que eu apreciava muitíssimo. Nele admirava fundamentalmente o humor, nela a inteligência e a cultura, em ambos a esmerada educação e a maneira admirável como geriam a relação dos dois, que era de dependência mútua, apesar de serem o oposto um do outro.
Há poucos anos, o João deixou-nos. Ficou uma saudade grande em todos os amigos, mas a Maria Manuel que eu sempre conheci acabou naquele dia. Julgo que ela desistiu de viver quando lhe faltou o João.
Hoje fui-me despedir dela pela última vez. O Manel Zé, ou D. Manuel Clemente ou Cardeal Patriarca, celebrou a Eucaristia, como tinha feito na despedida do irmão. Agora a Maria Manuel e o João estão novamente juntos.

Estive a ver fotografias nossas em momentos felizes que passámos juntos no Porto, no Algarve e no Marco de Canaveses. Esses momentos ficarão sempre comigo.

24 janeiro 2016

Do baú

Fechar casas é sempre doloroso. É uma página da nossa vida que se fecha. É um pouco de nós que desaparece. É a vida.
No meio de montes de papeis, encontrei este cartão do General Costa Gomes ao meu Pai. A minha Mãe nunca deitou nada fora, nem o que devia, e este cartão acabou por aparecer agora. Ele representa um pedacinho da vida do meu Pai.