13 março 2012

Envelhecer

Não me sai da cabeça o último livro que li do Valter Hugo Mãe "A máquina de fazer espanhois". Para quem não leu, a história passa-se num lar de idosos.
Passei hoje por uma situação que me deixou de rastos. Foi um dia muito dorido em que fui obrigada a fazer algo que nunca imaginei.
A minha tia, que também é minha mãe e minha madrinha está a envelhecer. Já tem 88 anos mas cheios de genica e jovialidade. Não casou, vive sozinha em Ovar e as filhas somos nós as cinco que estamos espalhadas pelo país desde a Ponte da Barca até Faro. Há umas semanas caiu e partiu o colo do fémur. Durante uma semana fui todos os dias para o Hospital de Santa Maria da Feira para estar com ela, para a ajudar, para a animar, para a mimar. Fez uma prótese total da anca e a operação correu muito bem. No dia 2 teve alta e eu e uma das minhas irmãs fomos buscá-la, levámo-la para casa e tratámos dela o melhor que pudemos. Mas quer eu quer a minha irmã temos as nossas vidas, as nossas famílias, as nossas casas e era impossível continuarmos lá. Tivemos que tomar a decisão de, contra a vontade de todas, a colocar no lar da Santa Casa da Misericórdia. O lar tem umas instalações óptimas, o cuidado é excelente mas doeu muito deixá-la lá. Muito, muito mesmo.
Dizem que o dinheiro não dá felicidade mas que ajuda muito, isso ajuda. Se eu pudesse, na minha casa, proporcionar-lhe o acompanhamento que ela vai ter no lar, nunca a teria lá deixado.
Era bom que nós envelhecessemos como esta rosa.

2 comentários:

mfc disse...

Era tão bom que o mundo fosse como o contruiríamos... se o pudéssemos ter feito!!!

Graça Pimentel disse...

mfc
Se era!...

Beijinho