21 agosto 2009

Há palavras que nos beijam

Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca.
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.


Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto;
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.


De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas, inesperadas
Como a poesia ou o amor.


(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído
No papel abandonado)


Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.


(porque faz hoje 23 anos que morreu Alexandre O'Neil)

6 comentários:

Gaivota Maria disse...

Adoro a poesia deste homem. Pertenceu a uma geração de grandes poetas. Obrigada por a teres escolhido. beijinhos

mfc disse...

Ele era intenso em tudo.

Mocho Falante disse...

Grande poema, grande poeta

gosto deste poema na voz da Mariza

beijocas

Graça Pimentel disse...

Gaivota Maria
Foi uma boa colheita...

beijinho

Graça Pimentel disse...

mfc
Inteiramente de acordo.

beijo

Graça Pimentel disse...

Mocho Falante
Deixaste-me down...
Nunca ouvi este poema na voz da Mariza. Imperdoável. Já vou tratar desta minha falha.

beijinho