31 julho 2015

Lapa

Lapa situa-se a cerca de mil metros de altitude e cresceu por entre serras enfragadas e rigorosos nevões invernais. Terra pequena, de construções de granito enegrecido, é na Lapa que nascem os rios Vouga e Paiva.
A história desta localidade começa em 1493 com o aparecimento da imagem de Nossa Senhora debaixo de uma lapa. A lenda tomou proporções nacionais e, sem demoras, surgiram as primeiras construções naquele local. “Para abrigo da Imagem, e resguardo temporário de fiéis, principalmente no tempo de maior afluência deles, construiu-se um oratório e levantaram-se algumas barracas simples”, diz Abade Vasco Moreira, no livro “Sernancelhe e Seu Alfoz”.
Alguns anos mais tarde, e já sob a orientação dos jesuítas (a acção dos jesuítas foi determinante para a evolução da Lapa, ou Quintela da Lapa), foi construída a actual Igreja, no exacto local onde a Pastorinha Joana descobriu a imagem. O Colégio, onde gente ilustre como Aquilino Ribeiro estudou gramática, latim, lógica e moral começou a ser construído no fim do século XVI e é uma das obras maiores dos Jesuítas na Lapa, funcionando hoje como pousada do Santuário.
Em 1740, e pouco antes de serem extintas as ordens religiosas e expulsos os jesuítas, a Lapa foi elevada à categoria de Vila. A Casa da Câmara e Cadeia e o Pelourinho simbolizam a importância administrativa da Lapa nesse período. Em 1885 perdeu o título, ingressando no concelho de Sernancelhe. A mítica “cidade” que os jesuítas criaram ainda perdura no tempo.

2 comentários:

Mona Lisa disse...

Mais uma bela reportagem fotográfica de uma localidade que não conheço e possivelmente nunca conhecerei.

Adorei conhecer a sua origem através do teu texto.

Beijinhos.

Graça Pimentel disse...

Mona Lisa
Se nunca fores à Lapa, ficas, pelo menos, com uma ideia do que é esta terra.

beijinho