11 maio 2008

Do branco ao vermelho

8 comentários:

mariadosol disse...

Lindíssimas. E a cor....as cores.... fazem-me bem!

Bjs

um Ar de disse...

Onde andaste tu a "catrapiscar" tanta cor?

Do branco ao vermelho, en passant...

Lindas!

[BEIJO a cores]

GP disse...

mariadosol
Acho que anda tudo a precisar de cor...

Beijinho

GP disse...

um ar de...
Sabes que os anos das crianças, nos dias de hoje, não são nada em comparação com as que eu fazia, em casa, para as minhas filhas. Caças ao tesouro, concursos,... enfim, todo o tipo de jogos. Agora pegam na miudagem, metem-na naqueles "armazéns" onde há campos de futebol e outras coisas mais e, passado o "tempo de aluguer", os paizinhos vão buscá-los e assim acaba a festa.
Ontem fez anos o Tiago e, depois de virem daquela coisa, fizemos a festinha da família. Como um paizinho de uma das crianças nunca mais a ia buscar, a Mónica demorou-se e eu esperei, à porta dela um pedaço. Aproveitei essa espera para olhar à minha volta e gravar em imagem algumas das coisas que me agradaram. Assim nasceram algumas imagens das quais coloquei aqui quatro.

Beijinho e boa semana

Tinta Azul disse...

Lindas, lindas, lindas!
[amanhã lá vou eu, para ficar até depois de amanhã na capital..., por isso não poderemos almiçar na terça. :(]
Falo-te na quarta-feira.
Beijinho grande cheio de cor.

Anónimo disse...

O que não fazem as avós!Mas tem razão, as festinhas de agora não prestam e nem deixam nas crianças recordações.Inventava-se tudo,desde os cartões aos bolos até as brincadeiras.As flores são sempre uma delícia para os olhos e para a alma.Não vingou no meu jardim as flores vermelhas a que damos o nome popular de "escovas".Não gostava do vento norte.Eu também não e agora cá o temos.Café na esplanada nem pensar!Nem a SERRALVES tenho ido.E as leituras como vão?

um ventinho amigo

vento

GP disse...

Olá tinta_azul!
Escolhe uma das flores que eu ofereço-ta.
Até amanhã

Beijinho

GP disse...

Que bom ventinho...
Realmente, o que não fazem as avós. A criatividade deu lugar ao pronto-a-tudo... As minhas filhas tiveram festas de anos que não esquecem mais. Também, é certo, eu morava no beirro Marechal Gomes da Costa. Tinha jardim e as criancinhas tinham educação. Agora até se tem medo de meter uma criancinha na nossa casa. Há cada uma...
Para mim já é "meio" Verão. O meu termostato já mudou a hora... e
este vento não me apoquenta.
Temos que ir tomar um cafezinho ao pé do mar. Deixo aqui o convite.
Quanto a leituras, continuo com o Miguel Miranda. Estou a ler "Como se fosse o último". É um livro de contos como o que li antes - Contos à Moda do Porto. De vez em quando vou dar mais uma espreitadela ao "Antoine de Saint Exupéry e Consuelo, Um Amor lendário".

Um beijo