28 outubro 2008

Escondido

12 comentários:

Gaivota Maria disse...

O burro é a sério ou apenas uma ilusão de óptica. Nos tempos que vievemos há tantas ilusões destas

mfc disse...

Um direi, lá no Pé, porque gostaria (se isso fosse possível) reincarnar num burro!

Graça Pimentel disse...

gaivota maria
Não é ilusão de óptica. É um burro mesmo mas... falso. Já voltei o colocar o post do ano passado para poderes ver os "vizinhos" que tenho...

beijinho

Graça Pimentel disse...

mfc
Essa de reencarnar num burro intrigou-me profundamente. Há tantos que precisavam de reencarnar como "não burros"...

Anónimo disse...

Eu acredito na reencarnação há tantos burros que só pode ter essa explicação e a matéria invisível dos tais é de plástico portanto temo-los cá muitos ,muitos anos.O melhor é arranjar uma árvore para tapar as vistas.E... se o burro come a árvore?
Aceitam-se sugestões.

o vento por aqui está muito agreste ihihih

Graça Pimentel disse...

ventinho
A árvore é uma maneira de fazermos como a avestruz. Esconde-nos o burro, para não o vermos, mas sabemos que ele está lá.
O problema de ser de plástico já é um problema ecológico grave. A sua decomposição demora centenas de anos... tempo em que os teremos por cá...
O burro não come a árvore, porque é de plástico. Assim, voltamos ao princípio. Temos sempre a árvore para não vermos o burro sabendo que ele existe...
O ciclo do burro acaba de me lembrar o ciclo da água...

Apesar do vento ser agreste, soube-me pela vida.

beijinho

Anónimo disse...

Pois é ,eu bem me parecia que não havia solução para os burros.Adorei esta nossa conversa filosófica.E não nos safamos dos burros!

beijinhos ,beijinhos do vento

Graça Pimentel disse...

vento
Convenhamos que, modéstia à parte, temos as duas valor. Conseguir filosofar assim em torno de um burro, ainda por cima de plástico, tem nível...

beijinho grande

Tinta Azul disse...

Assim disfarça....

Graça Pimentel disse...

tinta azul
O que demosntra que não é um burro a sério. Esse nem teria inteligência para usar o diafarce...

Beijinho

Anónimo disse...

As palavras são muito traiçoeiras,por isso adoro jogar com elas."Mas convenhamos" para quem as usa e para quem as compreende é preciso ter nível lá isso é.

um vento fresco neste sábado cinzento

Graça Pimentel disse...

vento
É fascinante jogar com as palavras.
O que se pode dizer sobre um burro de plástico!?

Beijinho a até... um dia destes